Para o papai

Li ontem no Instagram de uma amiga algo mais ou menos assim: nós escolhemos com quem passar o resto da vida quando vemos que ele vai ser um bom pai. E acho que é bem por aí mesmo.

Eu não poderia ter escolhido um melhor pai para minha pequena – consequentemente, não poderia ter escolhido um marido melhor para mim. ;)

Foi ele quem dividiu todas as noites comigo nos primeiros meses de vida de Juju, dormindo no chão e acordando sempre que necessário para me ajudar. Foi ele quem preparou meu café, almoço e/ou jantar enquanto eu amamentava. Foi ele que indicou e procurou ajuda quando tive dificuldades na amamentação.

E ainda é ele quem acorda de manhã cedo e faz o primeiro leitinho; quem chega do trabalho e coloca para a pequena dormir quase todos os dias; quem fica com ela pacientemente todos os domingos quando tenho que trabalhar; quem tem as melhores brincadeiras; quem faz malabarismos; quem também brinca de boneca.

É ele quem ganha os gritos: “Papai chegooooooouuuuu!!!”, ou a pergunta quase que diária: “Aô, mamãe! Papai?”

É dele o sorriso mais caloroso, o abraço mais apertado, o pulo até o teto, a paciência…

É com ele que compartilho todo o amor pela pequena, que divido os medos e as alegrias da vida de pais – e da vida inteira…

É para ele e para Juju que tento ser sempre uma pessoa melhor, na certeza de encontrar sempre um apoio…

É para ele que faço as homenagens, hoje, em nome de Juju e da nossa família linda que está apenas começando…

É para ele o vídeo que ilustra este post e que exemplifica tudo isso que eu disse acima!

Marido, ou melhor, papai, Juju e eu agradecemos por tudo, sempre. Te amamos demais! Feliz Dia dos Pais! Feliz todos os dias!

 

1 ano, e em imagens

nome

Gente,

Minha princesinha acabou de completar um ano, mas ainda custo a acreditar! Parece que foi ontem que descobri que carregava dentro de mim uma sementinha que era o fruto de um amor imenso. Parece que foi ontem que essa sementinha se desenvolveu e veio ao mundo cheia de vida, e de vontades. Parece que foi ontem que nossas vidas se preencheram do mais profundo e incondicional amor.

Assim, pela pura falta de palavras, decidi contar essa historinha linda por meio de imagens. Fotos que simplificam, ilustram e resumem apenas uma única sentença: “Filha, te amo tanto que esse sentimento não cabe em mim!”

 

casamento

Nossa família começou a ser formada no dia 17/12/2001, mas foi no dia 19/10/2009 que unimos nossas vidas e iniciamos a formação do nosso lar

 

sao joao

No São João de 2011, você já era nossa sementinha, minha filha, mas ainda não tínhamos ideia disso.

 

ultra coracao

Pouco tempo depois de sabermos de sua existência, conseguimos ouvir seu coraçãozinho. Lembro como se fosse hoje da emoção, das lágrimas, da felicidade...

 

ultra rosto

E a emoção de ver seu rostinho formado? Indescritível!

 

cynthia gravida

Nossa sementinha foi crescendo, e nossa felicidade também!

 

Até que você chegou! A emoção de ouvir seu choro e ver seu rosto pela primeira vez nos levaram às lágrimas. E sentimos o real significado do amor incondicional.

 

1 mes

Um mês depois, e muitas noites não dormidas a mais, você começa a interagir mais conosco. Cada dia, uma nova descoberta. Cada dia, uma emoção a mais

 

2 meses

Dois meses. As noites começam a ser mais tranquilas. E a cada novo movimento, nós vamos vibrando mais.

 

3 meses

Três meses e muitos sorrisos. Nossa vidinha passou a ser de pura interação e (re)conhecimento mútuo

 

4 meses

Quatro meses, besouros e baba! Você cresceu e a cada dia surgiram novas descobertas. Seu pai e eu fomos apresentados a novas emoções e vibramos a cada novidade

 

5 meses

Cinco meses e descobrimos que você adora comer. Doce, salgado, fruta, verdura, não tem tempo ruim. A cada novo alimento, uma excelente aceitação. Viva!

 

6 meses

Seis meses. Metade de um ano. E apenas o início de uma nova vidinha, que segue cheia de descobertas

 

7 meses

Sete meses. Você já começa a sentar sozinha, se mexe para lá e para cá à vontade. E conheceu a sua piscininha de pinguim! <3

 

8 meses

Oito meses. Fizemos um ensaio lindo com você, que já adora assistir seus DVDs e brincar com seus brinquedinhos

 

9 meses

Nove meses. Você já está começando a engatinhar. E as suas noites são sempre com as posições mais engraçadas

 

10 meses

Dez meses. Ano-novo, (mais) novas descobertas, mais felicidade. Você já engatinha rapidinho e vai onde quer. Começa a ficar independente

 

11 meses

Onze meses. Carnaval. Você já anda segurando nas nossas mãos, fala papa, neném, galinha ("adinha"). Ri, gargalha e sempre, sempre nos emociona mais

 

12 meses

Doze meses. Um ano. Enfim, chegou seu grande dia. Você já anda soltinha por pequenas distâncias, já tem amiguinhos, come tudo (até bolo) e tem muitos dentinhos (mais de sete). Nossa vida segue sendo você. Nossa luz segue sendo você. Nosso amor segue refletindo em você e com você. E assim será. Sempre!

Como montar o enxoval – parte final

Olá,

Agora encerro a trilogia do enxoval. No primeiro e segundo posts, falei sobre as peças de cama e banho do bebê. Nesta última parte, vamos, enfim, às roupas. Apesar de eu ter uma princesinha, acredito que essa dicas serão unissex, pois primamos pelo conforto da pequena em casa – ela só fica mini perua quando vai passear.

Bom, vou falar um pouco das peças que conheço ou usei. Lembrando que minhas referências são de roupas para meninas, além do calor de Recife e um apartamento (beeeeeeem) poente, em especial na sala.

Não vou dar dicas de quantidade, apenas vou dizendo o que tivemos/temos e o porquê, aí cada uma de vocês pode ver melhor a necessidade de cada peça. Afinal, não existem fórmulas certas de uma enxoval perfeito, nao é?!

E desde já peço desculpas porque o texto deve ficar grande para poder contemplar o máximo de coisas possíveis.

- Conjuntos de maternidade

conjunto rosa

conjunto roxo

São aqueles que tudo-combina-com-tudo, ou seja, vestido, luva, sapatinho, lençol e fronha têm o mesmo desenho/bordado e a mesma cor. Se você escolheu um tema para o enxoval, essa combinação é bem válida para todas as roupinhas, mas pouco prática para o dia a dia. Vale, como eu mencionei no primeiro post, para tirar foto! No geral, é legal ter esses conjuntinho apenas para levar para a maternidade. No meu caso, a pequena herdou alguns conjuntos que minha mãe fez para meu enxoval, todos exclusivos e bordados (sou fina!), mas pouco usamos eles, em especial por causa do calor, depois, porque de nada adianta colocar tudo combinando e em cinco minutos o bebê se sujar e termos de trocar toda a roupa.

– Body

Quando Julinha era recém-nascida, praticamente só usamos eles. Em especial os que colocamos por baixo dos conjuntos de maternidade viraram a “farda” dela. Tínhamos vários e de todos os tipos, manga longa para dormir, manga curta ou sem manga para o dia, com sainha para dar o charme… porém, quando ela foi crescendo começou a chorar na hora de vestir porque se sentia incomodada. Assim, reduzimos bastante o uso deles e, hoje, praticamente só usamos os de manga longa para ela dormir (quando não usamos pijamas mesmo).

– Macacões e “macaquinhos”

Na minha opinião, são a maravilha do universo – principalmente se forem aqueles que desabotoam todo. São super práticos, confortáveis e fofinhos. No enxoval de recém-nascido, usamos poucos porque não compramos nem ganhamos macacões RN, mas quando Julinha passou a usar P, foi uma festa! Gosto muito deles pela praticidade de vestir e porque, assim como os bodies, têm de todo o tipo – sem manga, de manga e calça comprida, de short, de manga curta…

- Calças

Para mim, são essenciais para completar os conjuntinhos da maternidade e para dormir. E só! (afinal, calor aqui em casa é o que não falta).

– Short e Blusa

julinha short

Hoje, aos nove meses, são o que Julinha mais usa. Virei adepta deles depois que ela passou a chorar para vestir os bodies, isso com uns 3 ou 4 meses. O melhor é que se sujar a blusa, é só trocá-la, sem precisar mudar a roupa toda. Além disso, são rápidos para enxugar porque, no geral, são de malha ou algodão mais fino – os bodies, geralmente, são mais grossos e demoram mais a secar. Mas acredito que só vale a pena investir neles mais na frente, como bebê maiorzinho.

- Vestidinhos

vestido rosa

 

São fofos, mas acabam sendo uma mão de obra com os recém-nascidos, pois temos que usar com body e calça por baixo. Mas vale a pena ter alguns para enfeitar a bonequinha para as idas ao pediatra – eu aproveitei bem os dos conjuntos da maternidade até não caberem mais na pequena, aí passei a usar os vestidos para bebês maiores.

- Pijamas

Como falei, no começo usei os bodies de manga longa e as calças dos conjuntos de maternidade para Julinha dormir. Quando ela passou a vestir P, comprei uns pijaminhas e adorei! Eles são mais confortáveis por serem de um tecido mais fino (tipo malha fria), mas tem um porém: se seu bebê se remexe a noite toda, como minha filha, a blusa fica saindo de dentro da calça. Por isso, é bom ter bodies e pijamas. ;)

- Meias, sapatinhos de pano e luvas

Usei as luvas muito pouco, uns dois meses no máximo. É que Julinha colocava muito a mão na boca e, por dormir no ar condicionado, acordava com as mãos mais frias do que se tivesse sem luvas. Os sapatinhos usei por mais tempo, depois substitui pelas meias, que é o que usamos até hoje. Tínhamos uns seis conjuntos de sapato e luvas de tecido da mesma cor quando ela era recém-nascida – também tivemos de crochê, mas usamos muito pouco por conta do calor e do fato de ela colocar muito a mão na boca.

– Lacinhos e faixinhas

Eu prefiro as faixas – apesar de ter comprado um sem-número de laços. As faixas são graciosas e não caem tanto quanto os laços, que escorregam quando a bebê tem pouco cabelo e/ou quando ele é fininho. Vale ter faixa de todas as cores, mas quanto mais fininhas melhor para as bebês mais calorentas, como a minha que sua praticamente desde que nasceu. o cuidado que se deve ter na hora de comprar as faixinhas é ver se ela estica bem para não marcar ou machucar a cabecinha das pequenas.

 

Viva as descobertas!

A vida é cheia de descobertas. Taí uma das afirmações mais clichês que existem. Mas qual o real sentido dela? Eu achava que sabia até que me deparei com nascimento da pequena, e descobri que não tinha a menor noção do que essa afirmação significava.

Tudo na vida dos bebês é uma descoberta, e isso começa com o simples ato de respirar e abrir os olhinhos. Daí em diante, cada dia é uma nova aventura – para eles e para nós. E dia a dia vamos vivenciado essas conquistas, que para nós são tão pequenas e para os pequenos, tão grandiosas.

Esta semana, Julinha começou a sentar e a ficar de pé sozinha no berço, mas só ontem eu vi com meus próprios olhos o esforcinho que ela faz para conseguir isso (antes eu já pegava ela sentada ou de pé, não via o durante). Quanta emoção! Minha pequena está ganhando sua “independência” e conquistando os mais simples atos do ser humano.

E cada descoberta que ela faz, cada conquista que alcança, é como se para mim valesse o dobro. Um ponto por ela ter conseguido e outro por eu poder estar vivenciando e contribuindo para que isso aconteça da melhor forma possível.

Por isso, redescobri – e redescubro todos os dias – o sentido da frase com a qual abri este post. Por isso, ser mãe é tão maravilhoso. Por isso, cada segundo do nosso dia de mãe vale a pena.

Viva as descobertas! E um viva às descobertas!

20121210-012146.jpg

Como montar o enxoval – parte 2

Olá,

Como prometi, aqui vai mais um post da saga de como montar o enxoval dos nossos pequenos. Na primeira parte, falei um pouco de lençóis de todos os tipos, fronhas e mantas. Agora, trago algumas dicas para toalhas, fraldas e calças enxutas.

- Toalhas de fralda

julinha toalha

São ótimas porque não machucam nem arranham os pequenos, além de enxugarem logo. Aqui em casa temos cinco e considero que foram suficientes no começo, afinal, os recém-nascidos só podem tomar um banho por dia. Mas quando eles forem liberados para mais de um banho, é legal ter mais umas duas toalhas.

- Toalha “convencional”
Temos duas. Julinha passou a usar essas toalhas com uns cinco meses. Se somarmos todas as toalhas (7), pode parecer muito, mas considerando que pode ser que você não consiga lavar a roupa toda do bebê no dia ou que as toalhas não enxuguem, é bom ter sempre uma quantidade maior delas na gaveta do que se pegar precisando e não ter nenhuma pra usar.

- Fraldas de pano

fralda anão

Eis outro item para o qual o menos NÃO é mais! Assim como os lençóis de xixi, elas têm mil e uma utilidades. Pedem ser usadas no ombro enquanto seguramos o bebê, também servem para forrar o trocador portátil e o de casa ou qualquer local onde você vá colocar o bebezinho (cama, sofá…), limpam baba e golfo, servem de babador e até de lençolzinho em uma situação de emergência. Aqui em casa fizemos conjuntinhos de fralda e lençol de xixi bordados com o mesmo tema – alguns ainda foram do meu enxoval de bebê – e ainda temos fraldas avulsas. Ao todo, quando Julinha era recém-nascida, tínhamos perto de 30 fraldas (mas não usamos tudo). Hoje, temos umas 20 (as do meu enxoval de bebê voltaram a ser guardadas) e confesso que, às vezes, só há uma ou duas limpas na gaveta. Ah! E nunca usamos elas como fraldas mesmo, para xixi e cocô.

- Fraldas descartáveis

fraldas descartáveis

Se você ainda não fez chá de fraldas, faça! Julinha tem quase oito meses e só compramos fraldas no primeiro mês porque ela usou RN, que só ganhamos um pacote. Ganhamos tanta fralda que doamos uns quatro pacotes M recentemente porque já estava apertado – é que a da Turma da Mônica vai até 9,5kg e Júlia tá perto de 9kg -, e ainda assim temos duas prateleiras de um móvel grande entupidas de fraldas M e G.

- Calça enxuta
Fiz a grande besteira de comprar três. Nunca usei. Primeiro pela facilidade – e quantidade – das fraldas descartáveis, depois porque como no começo o cocô e o xixi dos pequenos estão bem irregulares, teria que ficar trocando e lavando elas sempre – praticidade zero! E com o tempo e a rotina acabei esquecendo que elas existem.

Noves meses de descobertas

Nove meses. Uma gestação. A geração de uma vida. É assim, dando “forma” uma vida, que me sinto nestes nove meses de existência da minha pequena gordinha.

Como é grande a responsabilidade que temos, os nossos desafios, os nossos objetivos com estes pequenos seres. Mas como é imensamente grande a recompensa a cada sorriso, peraltice, careta, abraço ou gesto de carinho.

Familia parque

Como é maravilhoso acordar todos os dias e receber o maior e mais sincero sorriso do mundo, não impotando o tamanho do cansaço ou da correria que acabe de começar. E como queríamos que o dia parasse ali, naquele momento.

Julinha comendo

Educar um filho não é tarefa das mais fáceis, em especial, para as mamães de primeira viagem, como eu. São inúmeras tarefas autoimpostas, incasáveis buscas por “resultados”e esgotantes rotinas administrativas, da casa e da vida. Mas nada disso é tão importante como o dia a dia das descobertas.

Nestes nove meses completados exatamente hoje, todos os dias nos deparamos com uma nova “aquisição” de Julinha. Um novo movimento, um novo som, uma nova caretinha, tudo é lindo, tudo é motivo de comemoração, de felicidae.

Julinha sentadaAliás, felicidade é o que define a minha pequena. De riso solto e personalidade forte, assim ela é. Assim ela me renova diariamente. Assim ela me ensina. Assim ela me compelta.

Não importa a idade, os anos, o tempo cronológico. Não importa o quanto ela cresça. Ela sempre será a essência desse pequeno serzinho de nove meses. E é assim que vê-la para sempre: uma bebêua feliz!

Como montar o enxoval – parte 1

Olá,

Este post de hoje é para ajudar as mamães que morrem de dúvidas na hora de montar o enxoval. O que comprar? Qual a quantidade de cada coisa? São as perguntas mais comuns quando a gente se descobre grávida e se vê diante da tarefa de arrumar o guarda-roupa da pequena ou do pequeno. Eu mesma perguntei muito, li muito e ainda assim faria algumas coisas diferentes. Bom, mas vamos deixar de lenga-lenga e irmos logo ao que interessa!

Para facilitar, vou organizar por tipo de roupa e vou explicando o porquê da opção, ou não, por cada uma e pela quantidade das mesmas. Como vai ficar muito extenso, vou dividir por partes. Nesta primeira, explico um pouco do enxoval para o bercinho, carrinho e bebês conforto.

- Lençol de elástico
É legal ter pelo menos uns cinco, sendo dois brancos e um bege ou amarelinho claro (combinam com tudo). Aqui em casa temos seis (três brancos) que são os mesmos desde que Julinha nasceu.

- Fronhas
Depende do tipo de lençol de forrar que você vai comprar. Se for fazer conjunto – tipo fronha, lençol de vira e de xixi – nem pense em comprar muitas fronhas. Uma ou duas são mais que suficientes. Eu comprei umas três que nunca usei! Se não for conjunto, tem de ser cinco fronhas.

- Conjunto de lençol

julinha conjunto laranjajulinha conjunto girafa

Na verdade, não precisa de conjunto – eles são fofos para a gente tirar a foto, mas pouco úteis já que a gente não cobre o bebê com o lençol de vira (é muito grande e o bebê pode sufocar). Mas sendo conjunto ou não, o ideal são cinco também. Se a opção for não fazer conjunto, pode-se usar os lençóis de xixi – eles são colocados na horizontal no berço no local onde fica o bumbum do bebê mesmo. Além de fazerem uma composição bacana, “aparam” o xixi caso vaze pela fralda.

- Lençol de xixi
Aqui a máxima “menos é mais” funciona… só que ao contrário! :P É que os lençóis de xixi são super versáteis e a gente usa para tudo. Eles servem para colocar no ombro para a gente segurar os pequenos, podem ser forrados no carrinho ou bebê conforto ou em qualquer local onde você for colocar seu bebezinho (cama, sofá…) ou ainda forrados no trocador portátil. Eu confesso que quando Julinha era recém-nascida tínhamos quase 30 lençóis de xixi (o que foi exagero). O suficiente são 15, no máximo, 20 (caso você opte por usá-los no carrinho e no berço).

- Lençol de carrinho
De fato não são necessários. Os lençóis de xixi cumprem muito bem a sua função.

- Conjuntos da maternidade

conjunto maternidade

Ah! Esses são mimos necessários! Eu, de exagerada que sou, separei dois para cada dia de maternidade, mas confesso que um é mais que suficiente porque os bebês trocam apenas uma vez de roupa no dia. No geral, são dois a três dias que passamos na maternidade, então, quatro conjuntinhos servem – um para cada dia e mais um de sobra para qualquer eventualidade. É preciso um lençolzinho para forrar o bercinho móvel da maternidade e outro para cobrir o bebê (não precisa de fronha). E é legal também ter uma roupinha do bebê combinando com cada um.

- Manta

julinha maternidade2

Se você morar em locais quentes, como aqui no Nordeste, duas mantas são mais que suficientes – e ainda aconselho as de malha. As minhas de crochê ou algodão (Julinha teve quatro porque duas ela herdou do meu enxoval que minha mãe guardou, uma ela ganhou e outra foi do conjunto de saída da maternidade) eu confesso que só usei na maternidade, e mesmo assim pra cobrir o bercinho. As de malha (que só tenho duas) usei para sair e hoje uso como lençol para a pequena.

Para Júlia – seu Dia das Crianças

julinha presentes

Minha pequenininha,

Hoje é seu primeiro de muitos dias das crianças, o primeiro com você fora da barriga da mamãe. Hoje você ainda não entende essa data, nem o porquê de tanta comemoração ao seu redor. Hoje, pra você, vai ser mais um dia feliz como todos os dias de sua pequena vidinha.

Por isso, te escrevo.

Não sei quando você conseguirá ler estas palavras, mas sei que preciso deixar registrada a importância desta data e desta comemoração.

É porque, filha, hoje é o dia em que todos nós relembramos valores puros, brincadeiras inocentes, vidas sem maldades. Tempos que passam e não voltam, mas que devem ser lembrados para que a gente não perca a essência do que é ser bom, justo e verdadeiro.

Mas também, meu amor, na nossa família, é a data em que celebramos mais uma vez como você tem sido a luz dos nossos dias. Uma bebezinha alegre e risonha, que contagia todos a sua volta. Uma pequeneninha esperta, que aprende tudo com facilidade. Uma florzinha que nos retribui com gargalhadas todo o amor que podemos oferecer.

julinha presentes boca

E se tem um conselho que a mamãe pode deixar para você neste dia é que nunca perca esse sorriso gostoso e esse olhar amoroso e expressivo que só você tem, mesmo com apenas sete lindos mesesinhos. Esses pequenos gestos, filhota, podem mudar um dia triste, uma pessoa amarga, uma situação difícil. Um sorriso e um olhar com amor, eu acredito, podem mudar o mundo, afinal, os seus me mudam mais e mais a cada dia. E pra muito melhor! Nunca se esqueça disso.

Te amo!

Feliz Dia das Crianças!

Feliz seu dia!

O Dia dos Pais

O Dia dos Pais, para mim, sempre foi uma data como outra qualquer, sem muita importância no calendário e sem apelo sentimental. Coisas de quem teve pai ausente. O mais perto que chegava de sentimento nesta data era ao celebrá-la com meu sogro junto ao marido e cunhado.

Mas eis que me vi grávida… grávida do grande amor da minha vida, de um homem sensível e amoroso, que sempre tive a certeza que seria um excelente pai. E desde então, tudo mudou.

Hoje, este dia tem um brilho especial. Hoje, vejo o que é ser pai. Hoje, tenho todo motivo do mundo pra celebrar esta data.

Por isso, peço licença para homenagear aquele que tem feito eu perceber a grande importância da paternidade, do amor de pai, da presença, da dedicação: André, ou o pai de Júlia!

andre julia montagem

De coração enorme e uma tranquilidade invejável, ele vem aprendendo dia a dia o novo ofício. E tem se dedicado. E tem se destacado.

São gestos simples, diários e costumeiros, que me fazem ter a certeza de que Julinha não poderia ter um pai melhor. Desde que ela nasceu, ele dá banho, dá mamadeira, troca fralda, coloca pra dormir e arrotar.

Desde que ela nasceu, passou noites em claro comigo. Vai a médicos, dorme no chão, faz minha comida, fica com ela para que eu possa descansar.

Desde que ela nasceu, ele cuida de mim e dela com um amor imenso.

Homem íntegro, de bom caráter, carinhoso e cheio de valores, André é um exemplo de pai, tal e qual o pai dele e como todos deveriam ser. E isso enche a mim e a Julinha de orgulho e admiração.

Para ele, toda as nossas homenagens. Para ele, todo o nosso reconhecimento. Para ele, todo o nosso agradecimento. Para ele, todo o nosso amor.

 

Amor, sublime amor

20120801-001928.jpg

Olá pessoas,

Não sei se isso acontece com vocês, mães – em especial as de primeira viagem, como eu -, mas volta e meia me pego pensando: Como cabe tanto amor em mim, e por uma pessoinha tão pequena? E este é um amor que só faz crescer, que não tem tamanho, não tem medidas, não tem amarras.

Eu (ainda) não entro em várias roupas, não consigo perder os últimos quilinhos a mais, não durmo mais como antes, a coluna dói, minha postura tá totalmente errada (aí dói é tudo), mas mesmo assim é maravilhoso. É maravilhoso ter essa pessoinha na minha vida e poder vivenciar dia a dia o crescimento dela.

É esse amor que me faz acordar melhor e dormir ansiosa pelo dia de amanhã, pela mais recente descoberta. É esse amor que me faz ficar parada só olhando ela ou fazendo um carinho durante o maior tempo possível. É me emocionar com as mãozinhas dela segurando as minhas ou “procurando” meu rosto.

E é por causa desse amor que minha vida tem um novo sentido, que velhas questões tomam novo rumo e novas situações ganham velhos significados. É por causa desse amor que cresço e me esforço pra ser uma pessoa melhor para fazer uma pessoinha feliz!

Páginas:1234»